sexta-feira, 2 de agosto de 2013

RESENHA PSICOLOGIA SOCIAL E PROCESSO GRUPAL: A OCORRÊNCIA ENTRE PENSAR, FAZER E SENTIR EM SILVIA LANE





















Sueli Terezinha Ferreira Martins

O artigo Psicologia Social e Processo Grupal: A coerência entre Fazer, Pensar e Sentir em Sílvia Lane, elaborado por Sueli Terezinha Ferreira Martins, através da Universidade Estadual Paulista, São Paulo, Brasil. Nos faz refletir sobre a Psicologia Social e o Processo Grupal. A união destas duas temáticas abordadas por Sílvia Lane, foi o passo principal para o início de seus estudos e pesquisas. Portanto, o artigo apresentados nos faz refletir sobre esta prática.
LANE em seus artigos contempla a concepção histórica e dialética de processo grupal, utilizando-se de materiais para suas reflexões os pressupostos a respeito do materialismo dialético considerando assim os aspectos psicossociais, as características grupais, a vivência subjetiva, e a realidade objetiva e o caráter histórico do grupo.
Segundo o Existencialismo; “O caráter essencial da existência é a subjetividade. Assim não se pode definir ou conceituar a subjetividade como faz a ciência natural. Só se pode descrevê-la, apreendê-la e compreendê-la sob a forma de uma história pessoal, dirá KIERKEGAARD, ou sob a forma de uma temporalidade, dirá Heidegger”.
Sueli Terezinha enfatiza em seu artigo a produção sobre grupo que foi constituído durante as décadas dos anos 80 e 90 por Sílvia Lane, relatando assim sobre alguns dos artigos e livros que serviram como embasamento para a sua produção textual.
Para LANE (1981); “A Psicologia Social não deve ser pensada apenas como uma “ciência” que estuda o comportamento social do sujeito. Pois, a partir deste ponto surge a seguinte questão: Quando o comportamento se torna social?”.
Devemos lembrar que o sujeito é singular, pois cada organismo humano tem suas características peculiares. De acordo com esta afirmativa “caberia à Psicologia Social recuperar o indivíduo na intersecção de sua história com a história de sua sociedade – apenas este conhecimento nos permitiria compreender o homem enquanto produtor da história (p.13). Portanto ficam claras e evidentes algumas ações da Psicologia quando detêm a sua preocupação para os comportamentos decorrentes.
LANE quando traz para a vivência o Processo Grupal, ela não está falando em grupo ou em Dinâmica de Grupo, ao contrário ela enfatiza a discussão a respeito do caráter histórico e dialético do grupo. Trazendo esta perspectiva para o lado social, sabemos que em alguns grupos, como por exemplo: os adolescentes, visando sua adolescência, é algo cultural, pois não são todos os ambientes que exigem este tipo de “cultura”, ou seja, isto ocorre de lugar para lugar e depende muito de um contexto sociocultural.
Então, o Processo Grupal está além das fronteiras de um grupo, pois ele busca a raiz do sujeito e toda a sua história, ou seja, toda a sua formação, ou seja, ela social ou cultural. Segundo LANE (1984b); “Ressaltar o caráter histórico do grupo implica compreender o grupo, na sua singularidade, expressa múltiplas determinações e as contradições na sociedade contemporânea”. E assim, seguir algumas premissas que LANE considera para conhecer o grupo:
1)            O significado da experiência e da ação grupal só pode ser encontrado dentro de uma perspectiva histórica que considere a sua inserção na sociedade, com suas determinações econômicas, institucionais e ideológicas;
2)            O próprio grupo só poderá ser conhecido enquanto um processo histórico, e neste sentido talvez fosse mais correto falarmos em processo grupal, em vez de grupo. (LANE, 1984b, p.81)

Portanto, o presente artigo nos mostra em linhas gerais que o principal objetivo de LANE ao desenvolver seus estudos e pesquisas, que é transmitir de forma dinâmica o real interesse da Psicologia Social juntamente com os Processos Grupais.
Visando que seu interesse pelo Processo Grupal surgiu a partir de suas experiências com seus alunos durante a disciplina de Processo Grupa que foi ministrada pela própria, na PUC – São Paulo.
Deixando bem claro que a Psicologia Social está aberta para outras alternativas, sem deixar sua verdadeira essência que é estudar o homem que está sempre em movimento, isto é, está em constante mudança seja Social, Cultural, Histórica e/ou Psicossocial.

ÉRICA SILVA

psicopedagogaericasilvape@yahoo.com.br

4 comentários:

  1. Usei o seu texto para estudar Psicologia Social para um concurso. Obrigada!

    ResponderExcluir
  2. Por nada, querida! Ficamos felizes em ajudar!

    ResponderExcluir
  3. de acordo com silvia lane me explique ,como o individuo pode ser analisado no processo grupal levando em consideração seus dois niveis de operação, o da vivencia subjetiva e o da realidade objetiva. alguém pode responder

    ResponderExcluir